Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Auxiliar de Memória de Acontecimentos do Mundo onde Vivemos

Bom Senso "É conservar uma Atitude Harmonizada em momentos decisão..., conflito..., possuir a capacidade de evitar a prática de acções ou actos impensados no intuito de posteriormente não se sentir embaraço, arrependimento..." Bomsenso

Bom Senso "É conservar uma Atitude Harmonizada em momentos decisão..., conflito..., possuir a capacidade de evitar a prática de acções ou actos impensados no intuito de posteriormente não se sentir embaraço, arrependimento..." Bomsenso

Auxiliar de Memória de Acontecimentos do Mundo onde Vivemos

28
Mai10

Estudo do cérebro facilita compreensão das escolhas económicas - Investigação: Nova ciência

bomsensoamiguinhos

May 24, 2010 by Inovação & Marketing

Investigação:

Nova ciência de estudo do cérebro

facilita compreensão das escolhas económicas

 

Inovação, Marketing, Tecnologia, Empreendedorismo, Gestão, Portal, Blog

As decisões económicas são imprevisíveis porque a racionalidade é limitada, mas a neuroeconomia pode ajudar a compreender melhor o que está na base de determinados comportamentos e tendências, estudando os mecanismos cerebrais.
Esta ciência está ainda a dar os primeiros passos, mas pode vir a tornar-se uma ferramenta muito útil, defendeu o investigador e autor do livro “Neuroeconomia – Ensaio sobre a sociobiologia do comportamento”, José Eduardo Carvalho, em entrevista à Lusa.
Os estudos neuroeconómicos revelam o papel das emoções nas escolhas estratégicas e podem contribuir para ajustar os modelos económicos a uma nova realidade.
Recorrendo a áreas científicas como a cromotografia, a microeletrónica e a nanotecnologia, os neurocientistas dispõem de “um conjunto de instrumentos que permitem ver em tempo real como é que as pessoas reagem, em termos hormonais, se forem estimuladas”.
“O que as pessoas dizem nem sempre corresponde à realidade”, sublinhou o professor universitário. “Hoje, é possível ver isso e estes instrumentos podem optimizar a informação de que os economistas hoje dispõem”.
No entanto, a nova ciência está a ser mais aproveitada pelos “homens do marketing” do que pelos economistas.
A neurociência descobriu que há zonas do cérebro que são estimuladas quando uma pessoa é confrontada com um dado objecto, mas nem sempre funcionam de forma racional.
“A estimulação é visível numa determinada zona e depois há outra zona que faz a aferição do preço, por exemplo, mas se houver uma deficiência do funcionamento cerebral, essa zona não se “acende” e o indivíduo pode endividar-se para comprar um bem de que não necessita”.
A explicação para o sobreendividamento pode ter também a ver com outra descoberta: “Temos uma componente genética que nos pode fazer desenvolver uma certa propensão para o consumo, mas também há uma componente cultural, que resulta de uma aprendizagem e que se transmite através de gerações”, explicou o economista.
Os comportamentos económicos reflectem crenças e valores, salientou.
Ao contrário do que acontecia há décadas, em que os pobres se resignavam e não ambicionavam chegar a uma classe superior, hoje as pessoas com menores rendimentos “são constantemente estimuladas para o consumo, pelos anúncios e pelas telenovelas e vão interiorizando estes padrões”.
José Eduardo Carvalho defende que “as tradições e a política contribuem cada vez menos para a formação da identidade” e que esse papel tem vindo a ser assumido pelo consumo.

 

Fonte: Económico

 

♦ ♦ ♦

 

VER:

 

http://inovacaomarketing.com/

03
Abr10

B.I. Nasce com a República

bomsensoamiguinhos

JN

2010-04-03

15h51m

Bilhete de Identidade

Nasce com a República

Fátima Mariano

A intensa campanha a favor da criação de um registo civil viu os seus intentos alcançados com a República. Logo a 18 de Fevereiro de 1911 é oficialmente instituído o Registo Civil pelo Código do Registo Civil, que determina que os registos paroquiais anteriores a 1911 fossem transferidos para as recém-criadas conservatórias do registo civil.

 

Em Setembro de 1912 ocorreu a primeira tentativa de criação de um arquivo com os dados de identificação dos cidadãos, recorrendo ao saber científico e às técnicas utilizadas na identificação criminal.

O ministro do Fomento, Aurélio da Costa Ferreira, institui a carteira de identidade para todos os funcionários públicos dos ministérios e das direcções-gerais.  

 

No documento deveriam figurar as impressões digitais dos cinco dedos da mão direita, sinais particulares e uma fotografia, mas foram poucos os funcionários que requisitaram a referida carteira.  

 

Na sessão da Câmara dos Deputados de 5 de Dezembro, Alfredo Ladeira explicava que a carteira profissional "veio criar uma certa agitação na classe operária, porque, à primeira vista, parece que são observados, cientificamente, como criminosos". Em 1918, foi criado o Arquivo de Identificação de Lisboa, em substituição do Arquivo Central de Identificação e Estatística Criminal e começou a fazer-se a identificação civil.  

 

B. I. nasceu em 1919 

 

Apesar de a primeira tentativa ter fracassado, em 1919 é instituída a figura do bilhete de identidade. O decreto-lei nº 5266, de 16 de Março, estipulava a obrigatoriedade de um bilhete de identidade para "todas as pessoas (...) que fossem nomeadas para algum cargo público civil em Lisboa".  

 

Para as restantes, de ambos os sexos, era facultativo. O documento tinha quatro páginas, nas quais eram inscritos o nome, filiação, naturalidade, data de nascimento e profissão do requerente, bem como quaisquer sinais físicos particulares, uma fotografia, a impressão digital e a assinatura (se soubesse escrever).  

 

Cabia ao funcionário preencher gratuitamente o impresso. Caso existissem dúvidas quanto à identidade do requerente, este teria de fazer-se acompanhar de "duas testemunhas idóneas e apresentar certidão do registo do nascimento, ou outro documento autêntico, donde conste a sua naturalidade, idade e filiação". O bilhete de identidade tinha o custo de um escudo.  

 

O decreto nº 12202, de 21 de Agosto de 1926, reorganizou os serviços do Arquivo de Identificação, regulou a emissão do bilhete de identidade, alargando o leque de situações em que este era exigido, e estabeleceu as vantagens que seus portadores teriam sempre que se apresentavam num cartório ou repartição pública.  

 

De acordo com a lei, a posse do bilhete de identidade era obrigatório para o exercício de qualquer emprego público, com excepção do de juiz, funcionário dos distritos de paz, regedor de freguesia e funcionário que exercesse gratuitamente funções junto das tutorias, para a concessão de passaportes (excepto os diplomáticos), de licenças de caça e de uso e porte de armas, para os mancebos em idade militar e para os nubentes.  

 

Identificação para todos

 

No ano seguinte, além das situações atrás referidas, o bilhete de identidade passou a ser obrigatório para o exercício de qualquer profissão e para a matrícula em qualquer estabelecimento de ensino secundário - compreendendo os institutos comerciais e industriais - e universidades - incluindo os institutos superiores Técnico, de Comércio e de Agronomia ou outros congéneres.

 

Ainda em 1927, os serviços de identificação civil foram distribuídos por três arquivos, com sede em Lisboa, Porto e Coimbra. A sua área de jurisdição coincidia com a dos Tribunais da Relação de Lisboa, Porto e Coimbra.

 

O pedido de bilhete de identidade por quem residia fora desses distritos era feito exclusivamente aos oficiais da repartição do Registo Civil, que enviavam para o Arquivo Central de Identificação Criminal um boletim dactiloscópio contendo as dez impressões digitais do interessado.

 

A criação dos Arquivos de Identificação e do bilhete de identidade suscitou desconfianças, de início. Algumas vozes consideravam que visava apenas o controlo dos cidadãos por parte do Estado.

 

Em "A estatística do corpo: antropologia física e antropometria na alvorada do século XX", Nuno Luís Madureira, investigador do ISCTE defende que o B. I. "liga o cidadão ao Estado, mas liga também os cidadãos entre si".

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

ESPAÇOS DO AUTOR

====================== INFORMAÇÃO GLOBAL PANDEMIA - LINKS UTEIS ======================

  • ======================

GRIPE HUMANA DE ORIGEM SUíNA, AVIÁRIA, PANDEMIA -> LINKS ÚTEIS

GRIPE HUMANA (Aviária e Pandemia) Ministérios Outros Países

PRESIDENTE DA REPÚBLICA

PESSOAS ADMIRÁVEIS

LEGISLAÇÃO

=> DIREITOS HUMANOS

INSTITUIÇÕES NACIONAIS

SIC-Soc. Informação e Conhecimento

FINANÇAS / IMPOSTOS

UE - INST. EUROPEIAS

Finanças,Gestão, Economia...

INSTITUIÇÕES BANCÁRIAS

MÚSICOS E MÚSICAS

Imprensa / Informação

ONLINE - RÁDIO / TV / Imagens

EDITORES

ESPAÇOS CULTURAIS

LIVRARIAS

DADOS HISTÓRICOS

LIVREIROS / ALFARRABISTAS

ESPAÇOS AMIGOS

ESPAÇOS SUGERIDOS

VALEU A PENA CONHECER

RESTAURANTES

-> V I O L Ê N C I A

MEDICINA DENTÁRIA

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D